19/06/2017 13h17 - Atualizado em 19/06/2017 16h05

Censo Agropecuário 2017 será divulgado em meados do próximo ano

Com a presença da governadora em exercício do Paraná, Cida Borghetti, líderes de entidades do setor produtivo, em especial do agronegócio, parlamentares, entre outros, o presidente do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Roberto Luís Olinto Ramos, lançou na manhã desta segunda-feira (18/06), no auditório do Sistema Ocepar, em Curitiba, o Censo Agropecuário 2017, que terá início no dia 1º de outubro, envolvendo 24.984 recenseadores no país, dos quais 1.350 no Paraná. Durante cinco meses, serão realizados levantamentos em cerca de cinco milhões de estabelecimentos agropecuários brasileiros. Só no Paraná serão 372 mil propriedades rurais. O Censo terá investimento de R$ 500 milhões neste ano e R$ 270 milhões em 2018. O resultado deverá ser divulgado em meados do próximo ano.

Demandas – Segundo Ramos, devido às restrições orçamentárias, o Censo Agropecuário 2017 será reduzido, mas completo. “Vamos varrer todos os estabelecimentos do Brasil avançando nas informações que tanto nos fazem falta.” E adiantou que esse levantamento é a chave para a obtenção de informações para definir a questão do desenvolvimento sustentável no país. “Então, além de todas as informações que vão chegar de forma completa aos municípios, há, hoje, uma demanda internacional sobre a realidade municipal na questão do desenvolvimento sustentável”, disse. Para o sucesso dessa radiografia do campo, o presidente do IBGE pediu que as entidades ajudem na divulgação do trabalho.

Acervo – Os dados gerados pelo Censo Agropecuário formarão um valioso acervo a servir de base para análise, planejamento e formulação de ações acerca dessa importante parcela da economia brasileira demonstrando sua dinâmica e evolução. Como lembrou o deputado federal Sérgio Souza, que é presidente da Comissão de Agricultura da Câmara Federal, a agropecuária continua dando sinais de crescimento e de geração de empregos. “Por exemplo, o PIB agropecuário do último trimestre foi de 13, 4%. Não fosse isso, o Brasil teria crescido 0,4%, mas crescemos 1% nesse período. E é preciso enaltecer o trabalho do IBGE, que trouxe o Brasil agropecuário para o que é hoje”, acrescentou.

Atualização – O presidente do Sistema Ocepar, José Roberto Ricken, destacou a importância do Censo Agropecuário devido às mudanças que o setor passou nos últimos dez anos – o último levantamento é de 2007. “A produção agropecuária brasileira cresceu quase 80% nesse período. Só no Paraná, aumentamos quase 13 milhões de toneladas de grãos nesse setor, o que sinaliza o quanto estado mudou nesse período. O sistema cooperativo recebe quase 60% da produção agropecuária paranaense e, por isso, temos um grande compromisso em apoiar o Censo, mesmo porque precisamos das informações”, destacou.

Contribuição – Ricken lembrou que, por intermédio do PRC 100, planejamento estratégico das cooperativas paranaenses, o setor pretende chegar em 2020 com faturamento de R$ 100 bilhões. “Esse valor movimenta 60% da safra. E, em mais de 100 municípios, a maior empresa e maior arrecadadora é uma unidade de cooperativa. Por isso, as cooperativas vão contribuir com o levantamento”, destacou. O primeiro emprego com carteira assinada do presidente do Sistema Ocepar foi como pesquisador do Censo Agropecuário de 1976, em Manoel Ribas.

Foco – Para o presidente da Federação da Agricultura do Estado do Paraná (Faep), Ágide Meneguette, o Censo vai dar um retrato mais nítido da agropecuária brasileira. “Isso mostrará que o desenvolvimento do setor nos últimos anos foi mais pujante que do que imaginamos. Trabalhamos nesses anos meio sem rumo. Mas, com o Censo, vamos ter dados confiáveis que permitirão um planejamento mais acertado, facilitando tanto aos governadores, quanto aos prefeitos e produtores a tomada de decisões mais apuradas para alavancar a produção agropecuária”, ponderou.

Exatidão – A governadora em exercício do Paraná, Cida Borghetti, disse que o Censo Agropecuário 2017 garantirá o acesso à informação exata da evolução do setor produtivo ao longo da última década. “Teremos em mãos dados sobre áreas, produção, característica da mão de obra, irrigação, uso de tecnologias.

Políticas – Ela enfatizou ainda que “as informações precisas ajudarão a nortear políticas públicas, aperfeiçoar ações e orientar investimentos para os próximos anos. É, sem dúvida, um trabalho de importância econômica, social e ambiental”.
Importante – O secretário da Agricultura e do Abastecimento do Paraná, Norberto Ortigara, disse que o levantamento que será efetuado pelo IBGE, “é fundamental para conhecer realidades, ou seja, saber quem e quantos somos, como nos organizamos, enfim, como é dinâmica que temos no meio rural. E isso ajudará a calibrar políticas dos governos municipais, do estado e federal, das empresas, das cooperativas para o setor”.

Presenças – Ainda estiveram presentes ao evento o deputado Luis Cláudio Romanelli, representando o presidente da Assembleia Legislativa do Paraná, Ademar Traiano; o presidente da Associação dos Municípios do Paraná, Marcel Micheletto; o presidente da Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Paraná, Ademir Mueller, o chefe da Unidade Regional do IBGE no Paraná, Sinval Dias dos Santos, entre outras autoridades e representantes de entidades. Houve ainda a participação do coordenador do Censo Agropecuário, Antônio Carlos Simões Florido, que apresentou a estrutura de realização da pesquisa. “Ajude o Censo, que o Censo lhe ajudará”, afimou o técnico do IBGE.

Fonte: Ocepar

últimas: notícias vídeos

cotações

  • Milho amarelo – Rio do Sul/SC – (Epagri)

    21/08/2017

    valor

    R$ 23,00

  • Arroz irrigado em casca – Jaraguá do Sul/SC (Epagri)

    21/08/2017

    valor

    R$ S/Inf.

  • Suíno vivo – Sul Catarinense/SC (Epagri)

    21/08/2017

    valor

    R$ 3,69

  • Feijão Carioca -Tipo 1 – Paraná (Seab)

    21/08/2017

    valor

    R$ 86,11