20/10/2017 12h53 - Atualizado em 20/10/2017 12h53

Confira relatório sobre o mercado de carnes

As importações de carne bovina e de frango da China deverão aumentar em 11 e 7 por cento, respectivamente, em 2018.

Apesar da robusta demanda chinesa, juntamente com a produção estagnada ou em declínio, o crescimento adicional das importações é limitado por restrições que limitam os estoques dos Estados Unidos, um player mundial chave. Atualmente, os Estados Unidos não podem exportar carne de frango para a China devido a restrições relacionadas à gripe aviária.

Mesmo com os Estados Unidos tendo recuperado o acesso ao mercado de carne bovina chinês em maio desse ano, as exportações provavelmente serão limitadas no curto prazo devido aos requisitos do mercado que limitam a capacidade dos Estados Unidos de maximizar as oportunidades comerciais.

A China é o segundo e o sétimo maior importador mundial de carne bovina e de frango, respectivamente, representando 13 e 5 por cento do comércio previsto. Alternativamente, as importações de carne suína da China deverão diminuir pelo segundo ano consecutivo em 2018, uma vez que os ganhos de produção doméstica reduzem a demanda de carne importada.

A União Europeia, os Estados Unidos e o Canadá continuarão sendo os principais fornecedores, competindo principalmente no preço. Com uma demanda relativamente forte de processamento, é improvável que as importações retrocedam para níveis anteriores, mantendo a China como o maior importador mundial de carne suína, sendo responsável por quase um quinto do comércio previsto.

A produção mundial deverá crescer quase 2% em 2018 para 62,6 milhões de toneladas, sendo que os Estados Unidos e o Brasil representam cerca de metade do crescimento. O Brasil será impulsionado pela expansão das exportações, mas potencialmente enfrentará os desafios das questões da indústria doméstica.

A produção argentina continuará sendo impulsionada por desenvolvimentos políticos favoráveis e expansão do rebanho. Tendo se recuperado da liquidação de rebanho induzida pela seca seguida da reconstrução de rebanhos, a produção australiana de carne bovina está se recuperando.

As exportações globais em 2018 deverão ser 3% superiores a 10,1 milhões de toneladas, impulsionadas por embarques do Brasil, Austrália, Argentina e Estados Unidos. A demanda no Leste Asiático permanecerá robusta. A China, em particular, continuará a impulsionar o comércio, uma vez que a produção doméstica não pode satisfazer o consumo crescente.

As regiões produtoras de petróleo continuarão a ser desafiadas por preços de petróleo relativamente baixos, o que dificulta o crescimento econômico e prejudica a demanda. Produção e exportações dos EUA: a produção deverá aumentar em cerca de 3% em 2018, atingindo um recorde de 12,4 milhões de toneladas, à medida que os Estados Unidos entram no quarto ano de expansão do rebanho.

As ofertas elevadas sustentadas e os menores preços de carne bovina dos Estados Unidos irão aumentar as exportações para o México, o Canadá e os principais mercados do Leste Asiático.Os Estados Unidos enfrentarão uma nova concorrência nos mercados asiáticos da Austrália à medida que seu rebanho se expande. No Japão, os Estados Unidos também terão que enfrentar a maior vantagem tarifária da Austrália. No entanto, um dólar relativamente mais fraco dos EUA em 2018 poderia aumentar as exportações de carne bovina dos EUA.

Fonte: ABRA

últimas: notícias vídeos

cotações

  • Arroz irrigado em casca – Jaraguá do Sul/SC (Epagri)

    21/11/2017

    valor

    R$ S/Inf.

  • Feijão Carioca -Tipo 1 – Paraná (Seab)

    21/11/2017

    valor

    R$ 108,43

  • Suíno vivo – Jaraguá do Sul/SC (Epagri)

    21/11/2017

    valor

    R$ S/Inf.

  • Milho – Paraná (Seab)

    21/11/2017

    valor

    R$ 22,42

  • Arroz irrigado em casca – Rio do Sul/SC (Epagri)

    21/11/2017

    valor

    R$ 40,00