21/07/2017 12h28 - Atualizado em 21/07/2017 12h28

Emater integra projeto de fomento à agricultura orgânica

Agricultores de Faxinal, no Vale do Ivaí, estão tendo a oportunidade de migrar para a agricultura orgânica e, com isso, aumentar a renda. Há um ano e meio a Emater integra um projeto em parceria com a prefeitura do município e da Universidade Estadual de Maringá presta assistência técnica direta às famílias em suas propriedades. Eles são orientados para a obtenção do certificado de conformidade com a legislação do Ministério da Agricultura.

No momento, oito famílias de pequenos produtores integram o projeto. Elas produzem frutas, hortaliças e alguns produtos processados, como pães caseiros. Para o extensionista da Emater responsável pelo atendimento técnico, Flávio Jedneralski, a iniciativa é importante porque traz mais sustentabilidade ao processo produtivo, garante maior renda para os agricultores e atende a expectativa de moradores da cidade que buscam no dia a dia a oferta de alimentos frescos, saudáveis e seguros.

Jedneralski explica que as propriedades se encontram em fase de transição do sistema convencional para o orgânico e a expectativa é de que as propriedades obtenham a certificação dentro de um ano. “Mas, todos já cultivam suas plantações obedecendo rigidamente as normas legais para esse sistema. Quem faz as auditorias e deve fornecer o selo de certificação é o Tecpar, através do Programa Paranaense de Certificação de Produtos Orgânicos que envolve bolsistas da UEM”, explica.

FUNCIONAMENTO – Cada família planta em média meio hectare com frutas e hortaliças. A produção tem como destino as Ceasas e a Feira do Produtor, que acontece todas as semanas no centro da cidade. Os produtos também são destinados a compradores diretos e a escolas municipais que usam os alimentos para elaborar a merenda servida para os alunos.

“Nesta fase, ainda sem o selo da certificadora, os produtores vendem as colheitas pelo mesmo preço dos produtos convencionais. Mas, quando for vencido o período de transição, isso deve mudar. Nos editais da Prefeitura para a compra de alimentos para atender as escolas, por exemplo, já vem fixado um adicional de 30% para os produtos orgânicos certificados”, detalha o técnico da Emater.

PRODUÇÃO – A população da cidade também mostra satisfação com a possibilidade de ter em casa um alimento com qualidade diferenciada. Neste mês, 50 famílias começaram receber uma vez por semana uma cesta com 12 a 15 itens, entre frutas e hortaliças, produzidos pelas oito famílias do Projeto. “São produtos de época. A cesta é vendida por R$ 25, assegurando para cada agricultor uma renda “São produtos de época. A cesta é vendida por R$ 25, assegurando para cada agricultor uma renda extra mensal de R$600”, detalha Jedneralsk. O extensionista conta que já existem vários outros interessados na fila para também comprar diretamente dos agricultores.

“A compra direta é algo importante porque traz vantagens tanto para o consumidor quanto para quem produz. Com a eliminação do intermediário, é possível ter um mercado mais justo do ponto de vista da formação do preço. O produtor ganha mais e a família que recebe o produto em casa por menos, com a vantagem de colocar na mesa um alimento seguro, fresco e produzido sem o uso de insumos químicos sintéticos”, completa Flávio.

A olericultura é uma atividade forte em Faxinal. Os produtores locais cultivam tomate, feijão, vagem, pepino, folhosas, mandioca, batata-doce, couve-flor, brócolis.

 

Fonte: AEN

 

últimas: notícias vídeos

cotações

  • Milho amarelo – Rio do Sul/SC – (Epagri)

    18/10/2017

    valor

    R$ 27,00

  • Arroz irrigado em casca – Jaraguá do Sul/SC (Epagri)

    18/10/2017

    valor

    R$ S/Inf.

  • Suíno vivo – Sul Catarinense/SC (Epagri)

    18/10/2017

    valor

    R$ 3,72

  • Feijão Carioca -Tipo 1 – Paraná (Seab)

    18/10/2017

    valor

    R$ 99.79

  • Suíno vivo – Jaraguá do Sul/SC (Epagri)

    18/10/2017

    valor

    R$ S/Inf.