23/05/2017 15h17 - Atualizado em 23/05/2017 15h19

Governo fará campanha para evitar ingresso de fungo que ameça plantações de banana

Mal-do-Panamá é o nome popular de doença causada pelo fungo de solo Fusarium oxysporum fsp cubense (Foc), nova raça de fungos (raça 4 tropical), que está causando grandes perdas no sul da Ásia, Oriente Médio e Moçambique e é considerada a maior ameaça para a cultura da banana no mundo.

O Brasil é livre da raça 4 tropical que atinge as variedades prata, maçã, nanica e nanicão. No continente americano, a raça ainda não foi encontrada e a sua introdução poderia trazer sérios problemas para a produção de bananas, alimento básico e considerado chave para a segurança alimentar.

Diante da propagação dessa raça de fungo e o que representaria para a cultura de banana no Brasil, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), por meio do Departamento de Sanidade Vegetal (DSV), juntamente com pesquisadores da Embrapa Mandioca e Fruticultura estão desenvolvendo o Plano Nacional de Contingência, que prevê a adoção de medidas capazes de evitar a sua introdução no território nacional.

Segundo o diretor substituto do departamento, Marco Antônio Alencar, “como até o momento não existem variedades resistentes à praga, a melhor medida de controle é a exclusão, ou seja, evitar que o fungo seja introduzido no território”.

Com esse objetivo, será realizada ampla campanha de informação, direcionada aos produtores e ao público em geral, visando alertar viajantes que se dirigirem àqueles países com ocorrência da raça 4 tropical, que evitem trazer material vegetal e adotem medidas de mitigação de risco, como a realização da limpeza dos vestuários ou de qualquer outro material, a fim de evitar contaminação.

“É preciso impedir a introdução, no país, de mudas de bananeiras sem garantias fitossanitárias adequadas, porque mesmo mudas assintomáticas podem estar contaminadas pelo fungo. Caso a raça 4 tropical seja detectada no país, medidas de erradicação de plantas, interdição de propriedades, restrições ao comércio de vegetais, a partir das áreas com a ocorrência do fungo, deverão ser adotadas, objetivando evitar a disseminação para novas áreas”, explicou Alencar.

Fonte: MAPA

últimas: notícias vídeos

cotações

  • Feijão preto (novo) – Canoinhas/SC (Epagri)

    28/06/2017

    valor

    R$ S/inf.

  • Frango granja vivo – Chapecó/SC (Epagri)

    28/06/2017

    valor

    R$ 2,20

  • Frango granja vivo – Sul Catarinense/SC (Epagri)

    28/06/2017

    valor

    R$ 2,23

  • Trigo superior – Canoinhas/SC (Epagri)

    28/06/2017

    valor

    R$ S/inf.

  • Soja industrial – Lages/SC (Epagri)

    28/06/2017

    valor

    R$ 60,50